Como realizar audiências melhores com 5 dicas de oratória

Tempo de leitura: 3 minutos

Audiências fazem parte da rotina de muitos advogados. E existem vários fatores que auxiliam na realização de uma boa audiência, como saber falar bem e com eloquência. É verdade que muitos nascem com facilidade para se comunicar em público, mas é possível aprender e desenvolver essa habilidade com boas dicas de oratória.

Pensando nisso, elaboramos o presente artigo com 5 dicas de oratória para ajudar a realizar audiências melhores. Confira!

1. Aprimore a dicção

A enunciação e correta dicção das palavras é imprescindível para a boa oratória. E a prática é essencial para adquirir essas habilidades.

Demóstenes, um dos mais famosos oradores gregos, sofria de gagueira quando jovem. Para se tornar um grande orador, treinava com seixos na boca e falava contra o barulho do mar.

Da mesma forma, ao se fazer compreender claramente, o advogado chama a atenção e atende melhor aos interesses de seu cliente.

2. Domine o conteúdo

Para defender seu posicionamento, o advogado precisa dominar plenamente o conteúdo do que é debatido para não ser pego de surpresa por argumentos contrários e também para manejar a discussão com competência e segurança.

Dominar o conteúdo inclui não apenas os fatos do processo em curso, mas também a legislação, jurisprudência e a doutrina pertinente. Quanto maior for o domínio do advogado, melhor será sua capacidade de se expressar e de convencer o julgador.

3. Estabeleça uma estratégia

Ao se preparar para uma audiência, o advogado deve traçar uma estratégia para defender o cliente.

Primeiro, deve-se considerar a “arena de batalha”, ou seja, a área jurídica em que se realiza a audiência. As audiências cíveis são diferentes das audiências criminais e das trabalhistas, por exemplo. Saber o procedimento é essencial para uma boa estratégia.

Por isso, traçar a ordem dos argumentos, as perguntas de cada parte ou das testemunhas, determinar qual informação deve extrair de cada uma e já considerar como serão as alegações finais são ações que fazem parte da boa oratória.

4. Desenvolva empatia

Todo bom orador precisa desenvolver a empatia e o envolvimento emocional com seu público para conquistá-lo e cativá-lo. Conectar-se empaticamente também permite enxergar com mais facilidade o outro lado e compreender pontos de vistas distintos e contrapô-los melhor. 

Em audiências, nas quais o convencimento determina a vitória ou derrota, envolver e conectar os julgadores e testemunhas é a chave para o sucesso. Uma boa oratória cativa e convence, justamente porque explora muito além do aspecto técnico.

5. Prepare-se para o debate

Por fim, é importante lembrar que a outra parte também tem um advogado preparado para a audiência e disposto a vencer. É preciso ter argumentos convincentes, provas e informações concretas e utilizá-las no momento certo.

Nesse sentido, antecipar o movimento do outro advogado e contrapor suas colocações com maestria, utilizando as palavras e o tom correto é uma arte que requer treino e prática.

Depois de conferir essas dicas de oratória para melhorar a atuação em audiências, confira também nosso artigo sobre como falar de um jeito que as pessoas queiram ouvir.

Elias Evangelista

Advogado, Contabilista, Mestre em Direito Processual Coletivo, Especialista em Direito Bancário e Previdenciário, é Professor Universitário em Cursos de Graduação, Pós-Graduação e Cursos Práticos Online. Trabalhou como Coordenador em Cursos de Direito, é Sócio, Professor e Coordenador do IAPA – Instituto de Aperfeiçoamento em Práticas da Advocacia. Proprietário do Escritório “Evangelista Advocacia” e Sócio do Escritório “Proempresa Assessoria Contábil e Tributária”.

4 Comentários


  1. Excelente artigo. sucinto e muito útil para o dia a dia nas audiências. muito pratico.

    Responder

  2. Bom dia, Dr. Elias Evangelista, excelente suas recomendações, importante porque sempre estou participando de Capacitações na empresa em que trabalho, deparamos com alguns palestrante que as vezes agente chega a dormir em sua palestra, por não ter esses preparosr e ser dinâmico, ser estratégico interagir com a plateia e ser objetivo, assim agente consegue participar até o final da paleatra.
    parabens pelas dicas.

    Responder

  3. Boas dicas, tenho vinte e sete anos de profissão como advogada militando nas áreas Civil, Previdenciária e Trabalhista. Apesar dos anos do exercício na advocacia a cada audiência que faço é como se fosse a primeira, pois digo que nunca saberei que tipo de embate vou encontrar, tudo conta, que tipo de juiz ou promotor vou encontrar, o advogado adversário que vou enfrentar, o réu e o próprio cliente que as vezes nos surpreende com comportamento nada adequado apesar de sempre ter o cuidado de conversar e orientar antes da audiência, me preparo sempre como se fosse a primeira vez, preparo tudo antecipadamente, pasta com petição, releio o processo para evitar surpresas de esquecer fatos, levo por escrito possíveis perguntas ás testemunhas, a roupa que vou usar, me preocupo com minha entonação de voz pois tenho um timbre de voz alto então procuro me policiar, chego a ensaiar um debate com perguntas e respostas e assim tenho conseguido me sair razoavelmente bem.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *