Porque a advocacia “ad exitum” esta Fadado ao Fracasso

Tempo de leitura: 4 minutos

Atualmente, a advocacia ad exitum está se tornando cada vez mais comum, embora seja uma prática que traz prejuízos para clientes e advogados.

De fato, a experiência revela que esse tipo de cobrança está fadado ao fracasso. No longo prazo, o desgaste da relação entre os contratantes e a asfixia financeira levam a uma série de consequências desastrosas. 

Continue a leitura e entenda por que você deve evitar os honorários condicionados ao sucesso da demanda judicial. Confira!

1. Riscos extraordinários

A advocacia ad exitum condiciona os ganhos do profissional a uma série de fatores que independem de sua vontade: basta considerar o número de recursos nos tribunais de justiça para constatar que nem sempre os magistrados decidem conforme o esperado. 

Assim, muitas vezes, os próprios litigantes dão causa a perda do processo, por meio de depoimentos pessoais desastrosos, sugestão testemunhais pouco confiáveis ou omissão de fatos juridicamente relevantes, por exemplo.

Logo, ao condicionar seus ganhos ao sucesso da demanda, o advogado corre o risco de não receber nada pelas horas de serviço prestado. 

Exemplos desse tipo de situação são as ações fundamentadas em inversões do ônus da prova (direito trabalhista, consumidor e afins), em que qualquer elemento de formação da convicção do juiz, produzido pela parte adversa, pode acarretar em dificuldades insuperáveis. 

Outro caso marcante é a execução frustrada. Nessa, o profissional vence a demanda, contudo o crédito para satisfação do direito não é obtido, em virtude de insuficiência de bens do devedor ou de uma blindagem patrimonial bem-feita. 

Desta maneira, podemos afirmar que os casos de bom uso dos honorários ad exitum são uma exceção e que, na maioria das demandas, esse condicionamento é inadequado. 

2. Depreciação do serviço 

Um problema econômico de condicionar os honorários à vitória processual é a alteração do sistema de incentivos da relação entre os contratantes. 

Sempre que o preço de um serviço é tabelado abaixo do valor de mercado, os estímulos para sua melhoria e excelência são substituídos por vantagens para sua depreciação. É o que ocorre, por exemplo, quando o governo impõe aluguéis mais baixos e os gastos dos proprietários com a manutenção dos prédios iniciam uma tendência de queda.

Na advocacia, a mudança de estímulos repercute negativamente na conduta do profissional. Os casos submetidos ao regime ad exitum recebem menos investimento financeiro e intelectual, uma vez que não podem ser priorizados em relação àqueles que mantêm o escritório funcionando.  

Por outro lado, até mesmo a motivação do advogado é afetada. Afinal, os litígios judiciais são demasiadamente longos, e atender, sem remuneração, as demandas constantes de clientes é uma situação altamente desgastante. 

3. Asfixia financeira

As receitas de um advogado devem ser minimamente previsíveis, a fim de possibilitar o planejamento financeiro de sua atividade. 

Isso ocorre porque lidamos com uma série de despesas fixas (água, eletricidade, telefone, transporte, alimentação etc.), as quais, se inadimplidas, podem paralisar a prestação de serviços. 

Sendo assim, o profissional que condiciona seus ganhos ao sucesso da demanda tende a se encontrar em sérios apuros, tanto para se planejar financeiramente como para manter suas atividades em funcionamento. 

Além disso, o tempo do profissional também é um recurso limitado. Logo, ao fixar honorários ad exitum, abre-se mão de outros processos que poderiam oferecer uma remuneração constante.  

Trata-se da submissão a um regime de verdadeira asfixia financeira. 

4. Prejuízos a todas as partes

A advocacia mediante êxito é prejudicial para todas as partes envolvidas, porque os prejuízos ultrapassam a questão financeira e atingem a qualidade do serviço. 

Nesse sentido, profissional e cliente devem se conscientizar do benefício mútuo da assessoria jurídica. O advogado fornece os meios para que o cliente possa defender seus interesses jurídicos e prevenir a existência de litígios futuros, devendo ser remunerado por sua atividade. 

Essa é, inclusive, a orientação que decorre do Art. 2º§ 2º do estatuto da OAB:

No processo judicial, o advogado contribui, na postulação de decisão favorável ao seu constituinte, ao convencimento do julgador, e seus atos constituem múnus público.

Sendo assim, a cobrança constante de honorários ad exitum é uma subversão ao modelo legalmente admitido, estando destinada ao insucesso pelos motivos já mencionados. 

E então? Tem alguma dúvida ou deseja compartilhar sua experiência envolvendo a cobrança de honorários? Deixe um comentário no post! 

12 Comentários

  1. Avatar

    Prejuízos – Elias, ou melhor dizendo despesas.

    Despesas é prejudicial para todas as partes, porque os prejuízos ultrapassam a questão financeira e atingem a qualidade do trabalho, mas não podemos ser negativos, Viver e deixar viver e com fé! abraços muito obrigado Elias por tua extensa gentileza…

    Responder
  2. Avatar

    Ótima dica. Vejo que tudo isso está alheio à OAB que só se preocupa em ferrar no exame de ordem e se esquece daqueles que já estão na batalha.

    Responder
  3. Avatar

    Corretíssimo o seu comentário, também já estou mudando meu modo de agir com os clientes e evitando trabalhar somente pelo êxito, estou cobrando valores um pouco abaixo da tabela para iniciar o trabalho e um percentual no final sobre o êxito.

    Responder
  4. Avatar

    Fato! Sinto na pele tudo que foi dito acima, mais como mudar? Se não agir assim o possível cliente entra no próximo escritório de advocacia da rua e contrato aquele advogado, em cidade de 120 mil habitantes e mais de 1500 advogados?

    Responder
  5. Avatar

    Professor, qual o fundamento legal para eu cobrar uma entrada nas ações de exito trabalhista e/ou previdenciária?

    Responder
  6. Avatar

    Dr. Elias Evangelista
    Muito bom e esclarecedoras suas declarações para o entendimento dos profissionais.

    Juracy Vieira da Silva
    Perito Judicial

    Responder
  7. Avatar

    O problema Dr. Elias, é que os clientes já ingressam para a consulta no escritório com a ideia fixa de que somente pagará algum valor, se houver êxito em sua ação. Já fiz a tentativa em nosso escritório, e ao mencionar honorários iniciais, o cliente simplesmente opta por ir a outro escritório.

    Responder
  8. Avatar

    Dr. Elias, eu também comungo com essa posição, a remuneração do advogado dependente do êxito do processo é prejudicial ao escritório, e, a sua orientação sobre o assunto é muito relevante e essencial ao bom exercício da nossa profissão. Eu, de certa forma, já sofri alguns prejuízos irrecuperáveis.

    Responder
  9. Avatar

    De fato, ao longo da advocacia com base na taxa de sucesso a relação cliente-advogado se deteriora.
    A solução que obtive foi condicionar determinado pagamento quando da sentença, independentemente de ser favorável ou não. Isso tem dado certo!
    Parabéns pelo texto.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *